Faz hoje 2 meses e picos que escrevi o meu último post aqui no blog. De lá para cá tenho andado atare­fado a criar as condições necessárias para impul­sionar o meu pro­jecto de empresa para a frente. Há uma sem­ana, a minha esposa juntou-se a mim e jun­tos temos estado absortos na tarefa de colo­car tudo em ordem para levar­mos esta aven­tura a bom porto: somos mais um casal de empreende­dores e já não somos muito poucos em Portugal.

De lá para esta última sem­ana, tenho rece­bido inúmeros con­tac­tos a per­gun­tar porque não surgem novi­dades no blog, o que me tem deix­ado bas­tante ani­mado: con­teúdo existe, mas a rotina foi-se — é um dos males das reviravoltas.

Entre­tanto cá estou de novo, desta feita vou procu­rar man­ter o blog num ritmo de um post a dois por sem­ana, dado edi­tar con­teúdo para o blog leva, de facto, o seu tempo.

A mudança e a visão

Uma mudança para o futuro

Antes de mais, gostaria de dizer que me vou mudar da cap­i­tal (barul­henta, rude e amiga do alheio) para a angel­i­cal­i­dade  dos arredores das Cal­das da Rainha, fruto do planea­mento de 2 anos, onde decor­reram a sus­tentabil­i­dade, a qual­i­dade de vida, a volta às ori­gens e um local sossegado para ter o meu rebento.

Para além disso (e para além de ter família tam­bém nas Cal­das da Rainha!),  sinto a neces­si­dade de con­tribuir, de espal­har mais a minha men­sagem e a minha exper­iên­cia, e apoiar o tecido empre­sar­ial dos sec­tores que mais difi­cul­dades se têm debatido, para se mod­ern­izar e inter­na­cionalizarem, a recu­perar um pouco do tempo per­dido e voltar a estarem actu­al­iza­dos e na van­guarda do seu negó­cio. Creio que con­sigo fazer a ponte entre a tec­nolo­gia e as metodolo­gias actu­ais de gestão de processo e opti­miza­ção de recur­sos, bem como a uti­liza­ção das novas redes soci­ais ao serviço de quem pouco proveito lhes tem vindo a ser reti­rado. E não é junto do sec­tor ter­ciário, que tam­bém é impor­tante, que vou fazer algum tipo de “mossa” — é no sen­tido real­mente pro­du­tivo e trans­for­mador, que tem a capaci­dade de gerar riqueza e aproveitar recur­sos. É a minha grande aposta neste novo empreendimento.

Para tal tenho ded­i­cado os últi­mos 2 meses em:

  • ges­tação do pro­jecto embri­onário, na recolha da infor­mação e fun­da­men­tação para a pos­te­rior cri­ação do plano de negócios;
  • con­tac­tos diver­sos com enti­dades estatais em Lis­boa e Cal­das da Rainha no sen­tido de avaliar os serviços, os apoios e a leg­is­lação suporte para a cri­ação do dito projecto;
  • angari­ação de con­tac­tos e dados de mer­cado para poder real­mente com­pro­var, em todas as frentes, que a minha visão se encon­tra real­mente cor­recta e é actual­mente necessária, não detendo em abso­luto qual­quer con­cor­rên­cia neste campo.
Todos estes pon­tos são fun­da­men­tais para o meu (e para o vosso !) pro­jecto de futuro negó­cio. Existe uma frase sub­lime que eu li de um fab­u­loso cal­endário do con­sultório do meu quiro­prata, que acabei por adop­tar, e que traduzindo diz algo do género: “Se querem chegar a algum lado, têm primeiro de saber onde esse algum lado fica; depois pre­cisam de ter um plano em como chegar lá; após terem esse plano, nunca nunca nunca desistam!”
Eu acred­ito que se per­guntarem a qual­quer pes­soa bem suce­dida, eles facil­mente com­pro­varão a veraci­dade da mesma.
Con­tin­uando…

Pro­jec­tos e porque é que estes lhe interessam…

Exis­tem alguns pro­jec­tos rela­ciona­dos com o blog que eu gostaria de ter tempo de pro­duzir (e que poten­cial­mente o pode­riam ajudar!):

  • Um curso de free­lancer — como ini­ciar a sua jor­nada inde­pen­dente, através de um curso min­istrado online e com módu­los faseados;
  • Um serviço de coach­ing — ali­ado, ou não, ao curso, mas virado para o free­lanc­ing e para os tra­bal­hadores inde­pen­dentes, aju­dar a ultra­pas­sar os lim­ites (e os prob­le­mas!) que são auto-impostos — eu sei, porque eu tam­bém os ultrapassei!
  • A doc­u­men­tação da minha actual pas­sagem de free­lancer para empreende­dor, de modo a poder tam­bém mostrar como se faz, reti­rando a infor­mação dos erros e das lições aprendidas.

É sem­pre tempo de se começar a tril­har o cam­inho correcto.

Acho que qual­quer um dos pro­jec­tos acima aju­daria imenso a quem vem no iní­cio da cam­in­hada mas, como diria o meu mestre e men­tor António Oliveira (vai aqui um grande abraço e uma forte ovação para este grande homem!), “faltam-me mãoz­in­has para tudo, por isso vou cam­in­hando como posso!”.

 

O serviço de coach­ing já o presto há algum tempo a muita gente amiga que acabo por ter lon­gas con­ver­sas e minar um pouco destes lim­ites às suas capaci­dades, incentivando-as a arriscar um pouco e a avaliarem que se medi­ram por baixo, face ao que real­mente con­seguem fazer. Alguns lim­ites são sim­ples­mente ridícu­los, uma vez que lhes coloco à frente a fileira de prob­le­mas que eles próprios ultra­pas­saram — é uma questão de per­spec­tiva. Exis­tem frases deli­ciosas que cos­tumo recor­dar com alguma serenidade, pela alusão ao mar: “Nen­hum vento é favorável ao mar­in­heiro que não tem nen­hum des­tino em mente.” ou “Barco precário, vento con­trário!”; por seu lado, um provér­bio árabe diz: “Quem estuda e não prat­ica o que apren­deu é como o homem que lavra e não semeia.” Assim é impor­tante que eu tam­bém semeie ;) .

 

A minha pas­sagem a empreende­dor está a cor­rer com a calma necessária dada à urgên­cia ime­di­ata — tenho pressa em ter tudo con­cluído com o tempo sufi­ciente para poder saborear o cam­inho. Estou a apren­der a dar os pas­sos necessários, e com isso instruir-me e à minha esposa nas buro­c­ra­cias de gestão que não aprendo na Universidade.

O Curso

O curso, eu já referi a alguns cole­gas, ami­gos, famil­iares — e tam­bém leitores — meus, que ficaram com bas­tante curiosi­dade. A minha intenção ini­cial seria pro­por­cionar o curso online, com vários módu­los fasea­dos (10 +3 para ser exacto) e iria cobrir todos os aspec­tos finan­ceiros, psi­cológi­cos, soci­ais, pes­soais e legais desta ini­cia­tiva, com base na minha exper­iên­cia e actu­al­izada às últi­mas alter­ações leg­isla­ti­vas, que mudaram um pouco as regras do jogo.

 

Tenho já mate­r­ial sufi­ciente para ele e planejo abrir um piloto em Setembro/Outubro de 2012. Irei, no dev­ido tempo, dar as infor­mações necessárias sobre este curso e abrir as inscrições para pouco mais de 20 pes­soas, no iní­cio. Pre­tendo, com este piloto, obter o feed­back sufi­ciente para mel­ho­rar o curso. Tendo o curso ade­quado à com­preen­são da maio­ria dos par­tic­i­pantes e atribuir um certo grau de teste, con­sigo real­mente colo­car os desafios necessários que irão obri­gar os edu­ca­dos a praticar o que apren­deram. Isto lembra-me, para rematar, outro provér­bio:  “Quem quer apren­der a rezar, que entre no mar.”

 

Diga-me: Há quanto tempo está na praia, ainda indeciso ?

Um abraço e tudo de bom,

0 comments