O cap­i­tal­ismo e o sis­tema finan­ceiro fazem parte da nossa vida, como tan­tas out­ras coisas. Às vezes, um raio atinge-nos e não sabe­mos bem o que nos acon­te­ceu. As par­cas expli­cações na tele­visão (aque­las que nos damos ao tempo de ver e ouvir) não con­seguem explicar tudo o que se passa — muito por culpa dos próprios entre­vis­ta­dos que tam­bém não sabem o que lhes aconteceu!

Assim, e como sou curioso por saber os raios económi­cos que nos atingem, orga­nizei um con­junto de vídeos que podem visu­alizar e enten­der mel­hor o fenó­meno do cap­i­tal­ismo e da crise.

Crises do Cap­i­tal­ismo — Inglês

 

O Din­heiro como dívida — Leg­en­dado em Português

 

O din­heiro como dívida II — Leg­en­dado em Português

 

Espero que estes vídeos ten­ham elu­ci­dado sobre esta matéria. A mim trouxeram-me novas per­spec­ti­vas de como o sis­tema económico global fun­ciona e como isso pode afectar-me a mim e ao meu negócio.

Comen­tários e par­tic­i­pações são sem­pre bem-vindas e agradecidas.

Bons pro­jec­tos!

4 comments
Jonathan Fontes
Jonathan Fontes

Olá Ricardo, Agradeço a tua explicação. Básicamente é ir as bases de dados e inserir um valor X... Muito interessante. A parte que me intriga é a tua ultima frase. Apenas podemos criar laços de confianças entre amigos e troca de serviços pelo o que eu percebi. Cumprimentos, Jonathan

Jonathan Fontes
Jonathan Fontes

Olá Ricardo novamente, Não tenho uma opinião segura sobre isto, mas que fiquei preocupado sobre esta assunto fiquei, visto que não tinha noção disto, até pode ser burrice minha. Houve um video em particular que me chamou atenção, sobre o ciclo do credito. E como é criado dinheiro a partir de divida/emprestimo ? cumprimentos, Jonathan

Ricardo
Ricardo

Olá Jonathan, Parece confuso mas na verdade é muito simples. Vamos imaginar que eu sou um banco e tenho ao meu dispor um valor x, que sinceramente não interessa muito e eu já vou explicar porquê. Uma percentagem desse valor eu tenho de ter em caixa, regra geral uma quantia mínima de 1% ou menos. Antes das últimas notícias do banco da Basileia, que exige agora cerca de 9%, os bancos só necessitavam de ter 5% no Banco central do país, ou seja, no Banco de Portugal. O resto pode estar aplicado em instrumentos financeiros, que não são os créditos fornecidos aos individuais. Imagina que tu precisas de um valor Y para adquirir uma casa e vens pedir ao meu banco. Eu analiso que a tua promessa de pagar é válida e eu digo: sim senhor tem o empréstimo aprovado. A partir do momento em que tu assinas o contrato, determinando a tua promessa de pagar, eu vou tomar nessa promessa e vou gerar o dinheiro que tu me vais pagar. Como é que faço isso ? Simples. Vou à tua conta corrente e escrevo lá o valor que pediste. Não mexi em dinheiro nenhum. Criei o dinheiro. Como tu precisas de comprar algo, o teu contrato, como é dinheiro em caixa, é o que circula entre os bancos. A questão é uma questão temporal - tu vais pagar aquele valor no tempo futuro, mas eu vou dizer que aquele dinheiro já existe. Como já existe, não preciso de gastar dinheiro do banco. Eu crio esse dinheiro, mais juros, no momento em que tu assinas o contrato. Depois como tu vais comprar uma casa, não o podes levantar - tem de ser usado para comprar a casa. Como o cliente também tem conta num banco, basta-me contactar aquele banco e dizer que aquele dinheiro existe com base na tua promessa. Está tudo bem, porque os outros bancos fazem o mesmo. Percebeste ? É de facto uma cena muito ilegal, caso não fossem bancos ou instituições financeiras com um aval do Estado para o fazer. Um abraço Ricardo

Jonathan Fontes
Jonathan Fontes

Olá Ricardo, Acabei agora de ver a primeira parte dos videos e fiquei bastante preocupado com o sistema que temos actualmente. Então dinheiro é gerado de divida ?! Oh meu deus... É o fim do Mundo... Vou ver a segunda parte dos videos... Assim que terminar irei dar uma opinião ou pelo menos tentar. Abraços, Jonathan