Mohmoney!Acho que é cos­tume, assim que falamos em fazer mais din­heiro, haver uma nat­ural sus­peição sobre o que isso nos vai cus­tar. Afi­nal, o tema gan­har mais din­heiro pode ter várias con­se­quên­cias: ou dá mais tra­balho, ou perde-se mais tempo, ou é ile­gal, ou é mentira.

Mas e se for uma questão de visão ? Uma questão de busi­ness intel­li­gence. Uma questão de ser um nível acima. Há algo que aumenta nesses casos ? Sim, mas pode ser que con­siga ori­en­tar com mais facil­i­dade que as con­se­quên­cias acima.

Mais din­heiro! Será pos­sível ? E não dá mais tra­balho ? Bem, tudo depende do quão aven­tureiro se seja.

Vender Online

Hoje em dia a glob­al­iza­ção trouxe muitas for­mas de se gan­har din­heiro, mas o mais impor­tante ainda é o nosso can­tinho… da União Europeia. É engraçado notar que esta­mos numa comu­nidade de países, cujo comér­cio é livre, mas não com­er­cial­izamos com os mes­mos preços, ou sequer taxas. Não é dífi­cil, assim, encon­trar nichos de mer­cado em que encon­tramos pro­du­tos que têm uma agradável margem de lucro de país para país.
Assim, ter­e­mos de ter alguma “busi­ness intel­li­gence” e saber que temos pro­du­tos espec­tac­u­lares que os out­ros países não têem… e quando o têm vendem-nos a preços mirabolantes.
E que tal um pequeno site de venda de café expresso direc­cionado para a lín­gua Checa ? Ou venda de porce­lana cos­tu­mizada para a França, que neste caso só pre­cis­aria de alguém voca­cionado em olaria ?

Vender Offline

Ao con­trário do acima estip­u­lado, em que faria de inter­mediário entre o mundo offline para o mundo online, o inverso tam­bém pode ser uma exce­lente escolha. Ainda há muito pouco tempo anali­sei, por ocasião de ter de encon­trar brindes para o meu casa­mento (shiu, é ver­dade, vou-me casar mas não está enquadrado no objec­tivo deste artigo!), um site que vende por ata­cado (whole­sale) biju­te­rias e out­ras coisas sim­i­lares muito inter­es­santes para esse nicho de mer­cado a preços ver­dadeira­mente baixos. Aproveitar essa opor­tu­nidade para ir baterà porta, ou por tele­fone, de empre­sas do género, fornecendo um cat­a­l­ogo com fotos reti­radas do próprio site e com preços ligeira­mente (muito ligeira­mente) supe­ri­ores é um exce­lente negó­cio.
Devo referir que este exem­plo é um negó­cio de cen­te­nas e mil­hares de unidades. A margem de lucro, por mais pequena que seja, é sem­pre avali­ada na sua mul­ti­pli­cação e per­mite real­mente a pos­si­bil­i­dade de se faz­erem bons negócios.

Out­sourc­ing de mer­ca­dos paralelos

Eu sou um web­de­vel­oper, e sendo assim sei um pouco de web design, um pouco de flash ani­ma­tion, um pouco de admin­is­tração de sis­temas, mas não sou um expert nas 3 áreas como sou em web devel­op­ing. Não con­seguiria fornecer a mesma qual­i­dade de serviço se aceitasse tra­bal­hos nes­sas áreas, a não ser que tenha con­hec­i­men­tos e parce­rias nas mes­mas.
Sem perder muito mais tempo, é pos­sível gerir um pro­jecto recor­rendo a out­sourcers de con­fi­ança e diver­si­ficar os nos­sos serviços.

Com­prar barato, vender caro

Bem, eu lá em cima não falei nada em como não uti­lizar o seu din­heiro para fazer mais din­heiro, pois não ? Mas falo agora. O mer­cado de val­ores é um ter­reno perigoso para quem não con­hece. Há um bom­bardea­mento anor­mal de infor­mação e, obvi­a­mente, esta pode ser manip­u­lada. No entanto, há sem­pre a pos­si­bil­i­dade de nos jun­tar­mos a fóruns e newslet­ters da espe­cial­i­dade de pes­soas que, tal como eu, efec­tuam o tra­balho de infor­mação par­cial de livre von­tade, pela von­tade ape­nas de par­til­har.
Dois sites em par­tic­u­lar: Think­Fi­nance e Bons Inves­ti­men­tos - são “patrul­ha­dos” há já uma mão cheia de anos e posso asse­gu­rar que são fidedig­nos. Emb­ora não prometam mun­dos nem fun­dos, as suas análises são, norma geral, bem elab­o­radas e as suas pre­visões acabam por ser mais cer­tas que a maioria.

Com potas!Desen­volver um novo produto

Em Inglaterra, um miúdo apren­deu a fazer com­potas. As suas com­potas eram tão boas que todos os viz­in­hos as que­riam com­prar. Sem capaci­dade de pro­dução, resolveu alu­gar uma fábrica e acabava sem­pre por ter mais encomen­das do que pro­duto. Nascia a SUPERJAM! Neces­sito de dizer mais ? E aquele bolo que a sua mãe fazia e era admi­rado por toda a gente ? Será que… ?

Bons pro­jec­tos!

Um abraço e tudo de bom,

2 comments
Gabrielle
Gabrielle

Olá! Adorei suas dicas! Sou analista de sistemas e estou desempregada, procurando alguma forma de não ser mais empregada de ninguém! Bom, moro em Uberlândia MG, uma cidade grande e cheia de oportunidades mas ainda não sei por onde começar. Pensei em virar free lancer de qqer coisa que dê para fazer em casa. Na minha área é melhor para ser um free lancer, mas realmente preciso de dicas para começar. O que puder me passar de idéias de como começar a trabalhar para mim, eu aceito! Obrigada!

Ricardo
Ricardo

Olá Gabrielle, Parabéns pela iniciativa. O meu conselho é ver todos os posts deste blog e, a maioria deles, refere sobre como começar uma vida de freelancer. O primeiro passo é fazer um portfolio, arranjar maneira de se credibilizar, através de testemunhos no portfolio, nem que seja de amigos que conheçam o seu trabalho e possam validar o mesmo e apresentar sobre a forma de um site. Outra maneira será fazer uma candidatura espontânea a várias firmas como freelancer. Obrigado e bons rendimentos, Ricardo