Sem crise!A crise já há muito que se fez insta­l­ada. No entanto, recordo-me fre­quente­mente  de Richard Bach, um escritor amer­ti­cano que escreveu no seu livro ‘Jonathan Liv­ingston Seag­ull’ (1970), em Por­tu­gal ‘Fer­não Capelo Gaiv­ota’, a frase  ‘Every prob­lem has a gift for you in its hands.’ que se traduz em ‘Cada prob­lema traz um pre­sente para si.’

A ver­dade é que o pre­sente da crise, menos din­heiro e menos poder de com­pra, não é o pre­sente que queiramos. Mas tam­bém podemos abor­dar a crise de um outro ângulo, que nos dê, a nós free­lancers, uma outra alternativa.

Já sabe­mos da situ­ação dos des­ped­i­men­tos em massa e em muitos sec­tores, esta crise está a ser aproveitada para “limpar” orde­na­dos altos de téc­ni­cos e quadros de nível médio que, em tempo de “vacas gor­das”, vão sendo ben­e­fi­ci­adas. Não digo que isto seja cor­recto. Só digo que é o que acon­tece. O que tam­bém acon­tece é que as empre­sas des­pe­dem mas neces­si­tam e, pior, estão habit­u­adas a ter o serviço feito por aque­les téc­ni­cos e que, sem eles, têm de se des­do­brar em novas soluções ou reprimir cer­tos serviços.

É nes­tas alturas que podemos abor­dar os clientes e ofer­e­cer os nos­sos prés­ti­mos. É mais fácil incor­po­rar uma despesa pon­tual num orça­mento, do que uma despesa a longo prazo, com sub­sí­dios de férias e Natal, etc.

Para além disso, esta não é a altura para apre­sen­tar aquele orça­mento gigan­tesco de uma apli­cação ou pro­jecto tam­bém gigan­tesco. É prefer­ível procu­rar muitos tra­bal­hos mais pequenos e ter a certeza dos mes­mos serem aceites E, prin­ci­pal­mente, serem pagos.

E se não con­seguir gerir todos esses pequenos tra­bal­hos, lembre-se que está tudo em baixa, até os preços de out­ros out­sourcers e free­lancers.

Aproveite esta altura para uti­lizar esses out­ros recur­sos para tra­bal­har nesses tra­bal­hos e tam­bém aquele seu pro­jecto na gaveta por falta de mão de obra.

Bons pro­jec­tos!

Um abraço e tudo de bom,

0 comments